Imprimir
Categoria: Books articles - Portuguese
Acessos: 455
Feature on Home
Feature order
Watch
Watch Title
Watch Duration
Subtitle track
Listen
Listen Duration
Listen Title
Heading 1 / Youtube ID
Text Content 1
poster
Default Subtitle Language

– Um tesouro insondável de sabedoria


“É melhor acender uma vela do que amaldiçoar a escuridão.”
(Um provérbio citado no livro)

Ouvir é uma arte. Escutar é fácil. Uma pedra é lançada em uma lagoa e soa como um “splash”: o tímpano humano capta esse som involuntariamente. Por outro lado, ouvir uma sinfonia de Mozart, do início ao fim, sem se distrair, sem se autorreferenciar ou ter sentimentos perturbadores, requer grande esforço e dedicação. Tive um professor de música na universidade que me orientou a obter meu diploma em estética e que costumava nos dizer: “Ouça música sem pensar em nada. O menor pensamento irá distraí-lo dos violinos, da batida, dos intervalos, do piano, das nuances melódicas... e se você pensar durante toda a sinfonia, não vai apreciar ou entender nada”.

Esta joia de sabedoria insondável, intitulada Ouve a Tua Voz, me lembra aquele grande professor de música. “Celebre cada respiração” – paro nesta parte e interrompo todo o meu discurso interno. E, em sintonia com o ritmo sutil da respiração natural, leio esta passagem com muita atenção: “A chegada da respiração em nossa vida não é condicional. Dia após dia ela chega até nós sem marcar hora, sem julgar. Ela vem quando somos bons e quando somos maus. Ela vem quando não pensamos nela e quando pensamos nela. Não há nada mais valioso para você e para mim. Nenhum dinheiro pode comprar a capacidade de respirar, então, o quanto isso nos torna ricos? Estamos de posse de algo inestimável”.

Penso em como é bom não pensar. Logo, eu não penso. E digo a mim mesmo: como é doce a beleza de pensar enquanto descansamos no balanço lento e suave da respiração. Lembro-me de René Descartes e escrevo: “Eu respiro, logo existo”. Jovens estudantes não eliminam Descartes: ele foi o primeiro no mundo ocidental a pensar por si mesmo (fora de dogmas). René Descartes abriu caminho para a Modernidade com sua frase ultrafamosa: “Penso, logo existo”.

A importância amorosa que o autor dá várias vezes à respiração me leva a ficar imerso na aventura (de ler) ainda mais. Encontro esta pérola de clareza: “Algumas pessoas têm receio de que o autoconhecimento as conduza a uma existência monótona e abstrata, um afastamento da realidade. Se conseguirmos contentamento, seremos como um vegetal (uma batata, talvez, um nabo) enraizado ao local? Sem nada de interessante acontecendo em nosso cérebro de batata ou de nabo, sem aspirações? Nada disso! Em algumas histórias que li sobre a vida de Buda, posso ver que ele conseguiu a iluminação e depois se tornou realmente ambicioso”.

Palavras. Palavras. Palavras. Protesta a mente mecânica. O mecânico “não vamos nos enredar em palavras”, diz o autor em algum lugar. É um aviso sensato porque a essência do livro é a paz. Afinal, o autor foi nomeado Embaixador da Paz no Parlamento Europeu.

“Todos nós deveríamos ser embaixadores da paz, não só eu”, diz o autor várias vezes. Paz. Paz. Paz. Paz. O que significa ficar enredado na palavra paz? Ficar preso no som. No signo. O signo de outra coisa. Seria como se você dirigisse seu carro e ficasse envolvido, pensando na placa de trânsito, por exemplo, o sinal de PARE. E depois de parar o veículo, você não continuasse a dirigir naquela estrada, ou via expressa, ou estrada rural suja e empoeirada.

Da mesma maneira que ficamos presos quando ruminamos um pensamento, ou em vez de atravessar o rio, ficamos parados na margem. “O signo linguístico é uma imagem-som”, diz o linguista Ferdinand Sassure no seu extraordinário curso de Linguística Geral. Paz, como palavra, é apenas um signo, uma simples imagem-som. Prem diz: “O sentimento de paz é a minha versão mais profunda. Mas também é algo mais do que eu, mais do que todos nós. Depois que eu e você morrermos, a possibilidade de paz continuará vivendo em cada átomo do universo. Ela é infinita. Quando simplesmente sentimos, estamos nos conectando com o espaço infinito”. Por trás do som “paz” nesta obra, eu escuto o oceano. Em português, butterfly é uma “borboleta”. As borboletas se importam com isso? Cachoeira em espanhol é “cascada”. É a mesma coisa, as palavras são diferentes. Fica claro: o mapa não é o território.

Ouça a Si Mesmo é um mapa cuidadoso e claro para encontrar nosso eu interior. Eu pergunto: o que precisamos ouvir para abraçar uma pessoa amada? Que pessoa amada? O eu interior. A si mesmo. O eu interior profundo (não uma personalidade falsa.) Você não pode ouvir uma personalidade falsa. Ela é vazia. Ela não existe.

É apenas uma casca, sem a castanha dentro. Não é possível para nós, como seres humanos, ignorarmos a nós mesmos. Voltaremos depois de um tempo. Nós já voltamos. Aqui temos outro pequeno mapa, e com esse pequeno mapa, eu concluo esta crítica.

“Existem oceanos dentro do meu coração onde eu navego, não para ir a algum lugar, mas porque é uma viagem incrível.” Algum de seus poemas para concluir, mestre? Na escuridão, você me disse para aprender a ver. No início, eu estava confuso, mas agora vejo. Sem um copo, você me disse para aprender a saborear. No início, eu tinha sede, mas agora já bebi. Sem me mexer, você me disse para aprender a tocar. No começo, eu estava anestesiado, mas agora sinto. Em silêncio, você me disse para aprender a ouvir. No início, eu estava surdo, mas agora ouço.

Eu compreendo melhor, depois de ler esse livro, porque em um dia distante do ano de 1979, o renomado terapeuta Gestalt e excepcional psiquiatra humanista, Claudio Naranjo, disse a todos nós, seus alunos, futuros educadores e terapeutas Gestalt: “Ouçam cuidadosamente e sem preconceitos o sábio Prem Rawat, o Einstein da consciência e um poeta maravilhoso que canta com simplicidade ao infinito, restabelecendo o amor universal”.

Erick Swen Pohlhammer Boccardo é um poeta chileno da geração dos anos 80, descrevendo-se como “figura da mídia, viajante, leitor compulsivo, zen budista, um especialista tanto na cultura acadêmica quanto na cultura pop”. Wikpedia