Feature on Home
Feature order
Watch
Watch Title
Watch Duration
Subtitle track
Listen
Listen Duration
Listen Title
Heading 1 / Youtube ID
Text Content 1

Prem Rawat apresenta seu novo livro: When the desert blooms (Quando o Deserto Floresce)

Leia o artigo original e assista à entrevista ao final desta página: Clique aqui para a versão em italiano

Milão, Teatro Nazionale, 16 de junho

prem rawat milano

Ao apresentar seu novo livro, Quando o Deserto Floresce,  Prem Rawat sorri, gesticulando delicadamente enquanto  compartilha seus pensamentos.

Ele prefere exemplos tirados do cotidiano a conceitos abstratos, porque não é por meio de grandes gestos que se dá a possibilidade de mudança, mas pelo fluxo diário de minúsculas ações.

O livro, publicado pela BUR, sintetiza o sentido de uma missão: inspirar, transmitir uma mensagem de esperança e difundir uma prática viável de paz que começa com o conhecimento de nós mesmos.

Um embaixador que começou a falar de paz aos quatro anos, e que por anos viajou incansavelmente pelo mundo. Aos treze anos já havia falado nos Estados Unidos e a partir desse momento nunca mais parou, compartilhando sua visão da possibilidade de um mundo melhor. "O tipo de árvore que encontraremos em nosso jardim depende das sementes que plantamos no solo da vida."

Algumas dão lindas flores, enquanto outras uma seiva desagradável e pegajosa. Todas começam como pequenas sementes, mas manifestam suas características específicas quando germinam e crescem.

"Gostaremos de algumas, de outras não, mas cabe a nós decidir quais sementes plantar e nutrir em nossas vidas."

Prem Rawat apresenta Quando o Deserto Floresce

A imagem de um deserto que floresce tem um significado forte: ela nos diz que até o ambiente mais hostil está, na realidade, repleto de vida, e nos lembra que mesmo em meio às dificuldades precisamos ter paciência para esperar que as coisas melhorem. Acima de tudo, nos convida a pensar que a vida é um ciclo de regeneração. Este único volume, ilustrado por Aya Shiroi, alterna histórias contendo verdades universais, onde os principais protagonistas são formigas, papagaios, árvores e grãos de areia, além de considerações gerais sobre o sentido da vida, com conselhos práticos de como enfrentá-la sem desanimar.

Prática, prática, prática: esta é a chave para fazer germinar as sementes escondidas dentro de nós, e que aguardam a próxima chuva.

Falando para um público divertido de admiradores, Rawat deu conselhos práticos sobre como viver melhor: agradecer por cada dia, educar os filhos para compartilhar e mostrar respeito e aceitar o fracasso como parte do jogo.

O autor nos lembrou que quando estávamos aprendendo a andar, caíamos e nos levantávamos tantas vezes até conseguirmos ficar de pé e isso se tornar algo automático. Hoje, não nos lembramos mais, mas ainda podemos fazer isso.

Prem Rawat e uma visão do presente

Quando o Deserto Floresce nos ensina que muitas vezes não se trata de aprender algo novo, mas de

desaprender atitudes que adquirimos: a tendência de reclamar, de deixar para depois e de não ver saída . Enquanto estivermos vivos, sempre teremos uma escolha, e é isso que mudará a maneira como as coisas são.

Em um mundo marcado pela inovação tecnológica e pela necessidade de ir cada vez mais rápido, Prem Rawat nos convida a desacelerar e viver o momento. Se nos guiarmos apenas pela evolução tecnológica, correremos o risco de ensinar às novas gerações conhecimentos, mas não sabedoria.

Vamos parar e esperar: a chuva virá quando estivermos dispostos a ver e ouvir a oportunidade que ela traz.

O Projeto Kifubon e Quando o Deserto Floresce

O livro de Prem Rawat também foi publicado para fazer o bem, graças ao Projeto Kifubon da editora japonesa Bunya.

O projeto foi desenvolvido para distribuir livros a instituições beneficentes, principalmente aquelas em que as histórias e a leitura podem levar esperança aos que estão em situações difíceis. Com o livro Quando o Deserto Floresce, o projeto se expandiu internacionalmente, incluindo empresas, organizações e indivíduos em todo o mundo. Até agora, mais de 10.000 livros foram doados e são usados ​​em muitos estabelecimentos diferentes para ajudar a criar uma cultura de empatia e compaixão.