Gallery
Feature on Home
Feature order
Watch
Watch Title
Watch Duration
Subtitle track

No mundo de hoje, existem 6.500 idiomas falados, 4.200 religiões, 196 países, 31 tipos de governo, 12 signos astrológicos e cinco ramos principais da filosofia. Com toda essa diversidade, seria fácil concluir que os seres humanos têm pouco em comum entre si. Mas eles têm.

Para começar, somos todos feitos dos mesmos seis elementos – oxigênio, hidrogênio, nitrogênio, carbono, enxofre e fósforo. Também somos bípedes, temos polegares opositores, uma ampla gama de emoções e a capacidade de autoconsciência. Ah, e mais uma coisa – todos sofremos de sobrecarga de informações.

Considere o seguinte: todos os dias, os seres humanos geram 294 bilhões de e-mails, 500 milhões de tweets, 4 milhões de gigabytes de dados do Facebook, 65 bilhões de mensagens do WhatsApp e 720.000 horas de conteúdo do YouTube, todos acessíveis do nosso bolso – sem mencionar emails , notificações, chamadas telefônicas, textos e mensagens de correio de voz que recebemos.

O resultado? O que os psicólogos chamam de “sobrecarga cognitiva” – o estado mental muito familiar em que as demandas impostas a nós pelo trabalho mental são maiores do que nossa capacidade de processar essas demandas – a síndrome do “muito para fazer e pouco tempo”.

Não é preciso ser um gênio para reconhecer os sintomas. Eles estão em todos os lugares: TDA, estresse, sobrecarga, distração, confusão, incapacidade de priorizar, más decisões, horas de trabalho mais longas, menos vida social, fadiga, doença, isolamento e degradação dos relacionamentos.

Teoricamente, a ascensão da tecnologia deveria nos libertar das chamadas “tarefas mundanas” da vida, para que tivéssemos mais tempo para nos divertir. A realidade, porém, é muito diferente.

A maioria de nós assume que a multitarefa é a solução para toda a sobrecarga de informações que recebemos. Não é. Os neurocientistas nos dizem que 98% da raça humana não conseguem realizar multitarefas. Pensamos que podemos, mas estamos apenas percorrendo rapidamente várias tarefas sequencialmente. Enquanto a troca de tarefas produz um ápice de dopamina em nosso sistema nervoso, que fornece uma explosão de prazer a curto prazo, torna muito mais difícil focar nossa atenção.

A sobrecarga de informações, de fato, é conhecida por diminuir o QI de uma pessoa em 10 pontos. Uau!

Como você pode imaginar (especialmente se você fizer uma pesquisa na web sobre "sobrecarga de informações" e ler a primeira das 120.000.000 citações agora ao seu alcance), os especialistas têm muitas sugestões de como lidar com o fenômeno: estabeleça limites, verifique os e-mails com menos frequência, evite rastreamento múltiplo, faça mais pausas, priorize, anote as coisas e durma o suficiente. Isso ajuda? Sim. Mas cada uma dessas abordagens se concentra nos sintomas da sobrecarga de informações, e não na causa raiz – o que nos colocou nesta situação, em primeiro lugar: nossa incerteza fundamental, inquietação existencial, vício nos negócios e necessidade profunda de saber.

Acesse Prem Rawat, sua mensagem de paz pessoal e seu novo livro, “Ouça a Si Mesmo: Como Encontrar Paz no Ruído do Mundo”

Educador para a paz de toda a vida, autor de best-sellers e mentor de milhões de pessoas em todo o mundo, Prem vai ao básico – nossa necessidade fundamental de experimentar a simplicidade essencial e o que existe além das distrações da vida. Por que os domingos são tão populares, e os dias de folga e as férias? Por que são oportunidades raras de se desconectar, relaxar e simplesmente aproveitar. O que nos torna seres humanos, não apenas humanos realizadores de tarefas.

“Viaje comigo uma parte de sua jornada”, escreve Prem na primeira página de seu livro, “e você pode se surpreender com o destino. Estamos nos afastando do reino das teorias e crenças em direção a uma forma única de conhecimento. Para algum lugar dentro de você que está livre das distrações cotidianas”.

Claramente, Prem Rawat não é o primeiro a abordar a síndrome do “muito para fazer e pouco tempo”. É um tópico sobre o qual inúmeros outros falaram desde o início dos tempos – e tudo na tentativa de chamar a atenção para a beleza essencial e sem adornos da própria vida.

"Cuidado com a aridez de uma vida ocupada." – Sócrates

"Seja contente com o que você tem, regozije-se com a forma como as coisas são. Quando você perceber que não falta nada, o mundo inteiro pertencerá a você." – Lao Tzu

"Não é um aumento diário, mas uma redução diária. Tire o que não é essencial." – Bruce Lee

Prem Rawat, com muita energia, clareza e humor, está oferecendo ao mundo hiperativo uma abordagem alternativa – uma saída para a loucura.

“Meu objetivo”, explica ele, “é ajudá-lo a desenvolver a  compreensão da paz e o que significa conexão com a paz interior, mas somente você pode fazer a jornada do ruído externo para a paz interior”.

Aparentemente, as pessoas estão ouvindo. Apenas duas semanas após a publicação do livro “Hear Yourself”, em 14 de setembro, ele estreou na lista de Bestsellers do New York Times. E já foi traduzido para o espanhol, francês, português e italiano – com muitos outros idiomas ainda por vir.

O que dizem sobre o livro

“Os insights de Prem Rawat sobre a vida fornecem muitas das respostas que procuro há décadas. Este livro inspira e eleva o leitor com sabedoria e uma abordagem prática para encontrar a paz interior, em vez de buscá-la neste mundo louco.” – Michael Bolton, cantor e compositor vencedor do Grammy.

Hear Yourself nos convida a fazer uma jornada do mundo exterior em que vivemos todos os dias para o mundo de paz dentro de nós.” – Bill McCarthy, fundador e presidente da The Unity Foundation.

Hear Yourself convida os leitores a uma jornada de onde eles podem estar agora para o núcleo comum que todos compartilhamos como seres humanos e para o amor pela própria vida.” – Tim Gallwey, autor e fundador do The Inner Game.

Ouça Prem falar sobre seu livro

Como o livro de Prem se tornou um best seller do New York Times

Comprar o livro